A LÍNGUA DOS ANJOS

Meus amigos, paz pra todos!

O mundo terreno, que se vale da linguagem humana para fixação da cultura de Humanidade, vem se saturando das palavras vazias, dos sofismas, tanto quanto dos falatórios que representam o envenenamento do verbo.

Das mais remotas civilizações aos dias atuais, a palavra – que guarda sublime função entre os homens – vem sendo conspurcada pelo vício das ambições e das vaidades, dos ódios e do desculpismo.

Mas, se a perversão lhe contamina e condena, a honradez a guinda à sua divina natureza, quando a palavra se converte em “língua dos anjos”.

Em nossas tarefas espíritas, existe a palavra comum, de conteúdo meramente informativo, como instrumento da instrução. É a palavra científica, filosófica, comparativa, narrativa, emoldurante, etc.

Mas acima da natureza meramente cultural da palavra Espírita, prevalece a palavra que enobrece, consola e santifica, conhecida no mundo espiritual por “linguagem dos anjos”.

Atrelada ao Evangelho de Jesus, seja repetindo-lhe os termos ou interpretando-lhes os ensinos, essa “língua dos anjos” não se detém em casuísmos; não se presta aos malabarismos linguísticos; não cria elitização cultural e nem se desmanda em teses abstratas quanto insossas…

A palavra sublimada, em nossa Seara Espírita Cristã, expressa a língua dos anjos exatamente porque desativa o mal, ensina a virtude, santifica a dor, conforta na luta, aponta rumos salvadores e ilumina pelo amor puro e caridoso de que se reveste.

O Consolador prometido por Jesus, por isso mesmo, não está na palavra instrutiva ou meramente informativa, muito menos nas teses constituídas por palavras de escolas duvidosas. Está, inteiro, na palavra que liberta e santifica em nome de Deus, porque então, é a “língua dos anjos” revelando aos corações a chegada do Reino Celestial!

HONÓRIO ABREU

(Mensagem psicografada pelo médium Wagner Gomes da Paixão durante reunião pública do Grupo Espírita da Bênção, em Mário Campos, MG, no dia 03 de setembro de 2016).