SEGURANÇA ÍNTIMA EM TEMPOS DE LUTA

Meus amigos, votos de muita paz nas pelejas do dia a dia!

Por mais o Mundo físico se mostre ameaçador e instável nesta hora, estejamos certos de que a geratriz de todos os males transitórios reside nas instabilidades da nossa mente, quando dissociada da mensagem do amor que o Evangelho de Jesus, com sabedoria insuperável, demonstra à Humanidade há mais de dois mil anos.

As ondas estranhas, de natureza obsessiva e de expressão fria, zombeteira e cruel, somente atingem os corações que com elas se identificam, a partir de seu posicionamento no cotidiano da existência.

Nesse sentido, pequenas concessões são vesos de treva, vinculando as mentes ao simbólico dragão do materialismo e da usura – genuíno reino de Mamon que triunfa no egoísmo:

– Má-vontade para com a família;
– Negligências no tempo contratado pela profissão;
– Pessimismo crônico ou persistente acerca das provas naturais da evolução;
– Inadaptação ao concerto reeducativo que a vida definiu na reencarnação da criatura;
– Inveja e inconformação em relação ao que possui e ao que é;
– Maledicência contumaz sem a menor disposição de elevação moral;
– Preguiça generalizada, roubando do individuo os dons da produção útil e qualificadora;
– Alheamento religioso, negando a natureza divina da Criação por inércia moral;
– Imersão mental em vícios específicos, como fuga às lutas depuradoras e edificantes do caminho…

Amigos, somos os artífices da nossa felicidade ou de nosso infortúnio:
– Saúde e enfermidade;
– Miséria e prosperidade;
– Amorosidade e ódio;
– Medo e diligência;
– Simpatia e aversão.

São, em essência, escolhas pessoais segundo o esforço próprio no cotidiano das circunstâncias da vida.

Transição é dilúvio, tão intenso quanto o descrito pelo Antigo Testamento, por Moisés. O “aguaceiro” que faz submergir processos e experiências, sonhos e realizações, representa o acerto de contas que o tempo se encarrega de nos apresentar, individual e coletivamente.

Se no plano pessoal a sobrevivência material e espiritual parece desafiadora e exaustiva, em aspecto globalizado o mesmo se dá. O País fadado a vivenciar a Boa Nova, consoante nos foi revelado pelo Espiritismo, não poderia atingir seu objetivo se a Comunidade, nele reencarnada, não experimentasse à exaustão, com fins de saturação, os seus processos enfermiços e obsessivos, entre ambição e poder, vaidade e luxúria, irresponsabilidade e egoísmo aterrador.

As ondas desse “dilúvio” de forças psíquicas, que definem a Transição, revelam personalidades em tratamento e engole, sorve mesmo, tudo o que não expresse virtude e vocação superior.

O momento obriga pessoas e instituições a uma revisão imperiosa, porque o simulacro, então desmascarado e tão evidente para os de senso melhor, já não assegura nada, e tão só a Verdade do Evangelho, no coração, torna-se a luz que direciona, asserena, pacifica e faz feliz.

Não se trata mais de curral religioso, ou corrente filosófica ou política com tendências, é tempo de essencialidade, porque sistemas não mais serão blindados, e as consciências despertas balizarão, para os que triunfarem do dilúvio consumidor por seus esforços sinceros, o rumo melhor, com segurança e alegria.

O tempo gera circunstâncias para todos, mesmo para os infelizes que negam os favores da Misericórdia Divina, e, por isso, a Terra acalentará em novas bases os triunfadores, tanto quanto outro orbe acolherá em expressões infinitamente mais penosas e rudes, os afinizados com o materialismo, com os vícios morais, com a negação de tudo o que é sagrado no Universo.

– Bom ânimo! – recomenda-nos o Senhor.

Sejamos valorosos, onde, com quem e no que façamos, pois, o tesouro maior é salvar a própria alma, já que o Mundo tão disputado e tão marcado de ambição e morte – este sucumbirá!

Abraço fraterno a todos os companheiros que, como nós, ainda aqui na vida espiritual, buscam se renovar e seguir os passos do Excelso Amigo e Benfeitor de nossa Terra: – JESUS!

HONÓRIO ABREU

(Mensagem psicografada pelo médium Wagner Gomes da Paixão durante reunião pública do Grupo Espírita da Bênção, em Mário Campos, MG, no dia 21 de janeiro de 2017).