SILÊNCIO E ORAÇÃO

Meus filhos: que a Graça do Senhor vos alcance e vos asserene, ante as ilusões do Mundo!

A divina oração é, sem dúvida, a entrega completa da alma a Deus. Todavia, para que a nossa oração devocional se torne plena, guardamos o dever de silenciar os nossos movimentos de egoísmo, de orgulho, de ambição, de vaidade, de indiferença, de presunção no poder.

O culto do silêncio antecede a sublime conversão da alma ao Pai e Criador.

Esse exercício – o de silênciar o egoísmo e a vaidade – nos é requisitado todo dia, quando, no corpo físico, julgamos possuir o Mundo e tudo que está nele por obra de nosso Pai.

A ilusão da posse e o estigma da ambição nos escravizam e nos torna bulhentos, desrespeitosos, agressivos, insolentes, infiéis à vida, a Deus…

As guerras surgem no Mundo a propósito das falácias e dos planos sinistros do egoísmo – essa declarada negação do amor de Deus que permeia toda a Criação infinita.

Tendes uma doutrina santa em vossas mãos, pois sendo ela o “Espírito Sagrado do Evangelho” é capaz de guiar-vos na conquista do silêncio do vosso “eu”.

Então, conscientes quanto ao caminho e desejosos de iluminação por sentirdes o rócio da Vida abundante ensinada por Jesus-Cristo, podereis comungar com o Eterno, através do silêncio que erradica o mal de vosso ser, definitivamente.

Que em silêncio produtivo e edificante, possais vós orar e vos plenificar em Deus!

TERESA d’ÁVILA

(Mensagem psicografada pelo médium Wagner Gomes da Paixão durante reunião pública do Grupo Espírita da Bênção, em Mário Campos, MG, no dia 24 de abril de 2017).